Login para sua conta

Usuário *
Senha *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com asterístico (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Repetir senha *
E-mail *
Repetir e-mail *
Captcha *
Reload Captcha

Em clínica de reabilitação de MG, Internos eram abusados sexualmente, diz polícia Destaque

Grupo foi encaminhado à delegacia da Polícia Civil em Matozinhos, também na região Central de MG Grupo foi encaminhado à delegacia da Polícia Civil em Matozinhos, também na região Central de MG

barra covid19

Quando policiais chegaram ao imóvel, 32 pacientes estavam trancados

Pessoas trancadas, por muitas vezes sedadas, ameaçadas, agredidas e abusadas sexualmente. Esses são alguns dos maus-tratos em uma clínica de reabilitação da cidade de Prudente de Morais, na região Central do Estado, conforme divulgado pela Polícia Civil nesta segunda-feira (19). Oito pessoas, entre elas um proprietário, foram encaminhadas à delegacia. 

anuncie aqui

Há cerca de um mês, a instituição recebeu uma denúncia que os internos, todos homens com idades entre 18 e 80 anos, eram maltratados e mantidos em cárcere privado. Alguns estariam internados de forma compulsória, e outros, voluntariamente.

Policiais foram até o endereço indicado e encontraram 32 pacientes trancados. Ao todo, o local, que atendia de forma particular, tinha 45 pacientes. "Os conduzidos são antigos internos do centro de internação. Estamos investigando se eles são contratados, em que qualidade estão lá. Eles são os detentores das chaves, quem trancam e destrancam, então eles têm uma participação efetiva no cárcere privado", explicou a delegada Priscila Pereira Santos.

A pena pode variar de dois a cinco anos de prisão. Ainda conforme a Polícia Civil, a Secretaria de Assistência Social de Prudente de Morais ficou responsável pelos pacientes e pelo contato com as famílias.

SUPERBET rgb

Ainda conforme a polícia, dos conduzidos, seis ficaram presos e dois foram liberados. 

Pássaros

No espaço também foram encontrados pássaros presos em gaiolas e lixos jogados em uma lagoa nos fundos do imóvel. Com isso, o grupo também poderá responder por maus-tratos a animais e danos ambientais.

A reportagem de O TEMPO não localizou nenhum número de telefone da clínica, que não tinha alvará de funcionamento, para que os responsáveis pudessem passar suas versões dos fatos.

Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.